Buscar
  • espmrio

Inclusivas, seguras, resilientes e sustentáveis até 2030

Atualizado: 22 de Nov de 2020

________


Atualmente, 3,5 bilhões de pessoas, o que corresponde a metade da população mundial, vive em cidades. Nos próximos anos, a estimativa das Nações Unidas é que este número continue a subir, alcançando 60% da população do mundo em 2030, e 70% até 2050. A rápida urbanização torna as cidades centro dos debates sobre o desenvolvimento sustentável para assegurar um futuro com equidade e justiça social a todos os cidadãos do mundo.


Neste momento de pandemia, por exemplo, 90% dos casos registrados globalmente, segundo as Nações Unidas, estão nas cidades, sendo que seu impacto é mais devastador em áreas urbanas pobres e densamente povoadas.


A expansão urbana não planejada resulta em um número crescente de moradores de assentamentos informais e favelas. A parcela da população que vive nestas condições aumentou para 24% em 2018. Além da questão da moradia, infraestrutura e serviços inadequados e sobrecarregados, entre elas a coleta de lixo, fornecimento de água, sistemas de saneamento e de transporte, também são decorrentes deste crescimento urbano e impactam no aumento da poluição, intensificando a emergência climática.


Para enfrentar tantos desafios, o ODS de número 11, propõe tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis até 2030.



Temas intrinsecamente relacionados à urbanização, como mobilidade, gestão de resíduos sólidos e saneamento, estão incluídos nas metas do ODS 11, bem como o planejamento e aumento de resiliência dos assentamentos humanos, levando em conta as necessidades diferenciadas das áreas rurais, periurbanas e urbanas.


Entre as metas estabelecidas por este ODS, está o fortalecimento de esforços para proteger e salvaguardar o patrimônio cultural e natural do mundo. E também proporcionar o acesso universal a espaços públicos seguros, inclusivos, acessíveis e verdes, em particular para as mulheres e crianças, pessoas idosas e pessoas com deficiência.


Para isto, é preciso um olhar interdisciplinar para pensar as cidades como palco de transformação social, cultural, ambiental e econômica, garantindo o desenvolvimento de inovações e políticas que assegurem um futuro em que todas as pessoas tenham direitos e acesso equitativos aos benefícios e oportunidades que as cidades podem oferecer.


O ODS 11 está alinhado à Nova Agenda Urbana, acordada em outubro de 2016, durante a III Conferência das Nações Unidas sobre Moradia e Desenvolvimento Urbano Sustentável. Para acessar este documento, clique. Saiba mais clicando aqui.


________

57 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo